Logomarca

Últimas notícias

São Gabriel, 20/10/2019

Irmãozinhos Fuzilados

Localizada junto à parede externa da face meridional do quartel do 6º Batalhão de Engenharia de Combate em forma de pequeno templo. É também conhecida como Capela dos irmãozinhos.

No local foram executados há dois séculos, dois soldados, que descumpriram o regulamento militar da época. Cabe ressaltar que é o único quartel que guarda revivida a imagem de uma época de tortura.

Conta a história que na década de 1850, quando o Exército seguia ao regulamento drástico do Conde Lippe, que entre outras medidas, aplicava a pena de morte.

Os soldados Agostinho José de Meira e Joaquim José dos Santos foram fuzilados no local.

O primeiro, oriundo de Jaguarão teria sido executado depois de travar discussão com superior no momento de distribuição da carne 1º Tenente Alvino D'Almeida, oficial de dia no dia 15 de julho de 1852. Após foi castigado e recolhido ao xadrez por ordem do Tenente Coronel José de Carvalho. Ao ser retirado do xadrez para receber o corretivo, recebeu do Tenente Albino a ordem de tirar a farda, já que não era permitido bater em praças fardados, foi quando Meire investiu contra esse oficial esfaquendo-o, quase o matando, não fosse a guarda oficial.

Com o movimento Meire acabou cortando o cabo da guarda Francisco Jerônimo de Rezende, o anspeçada Pedro Francisco Bastos e o soldado João Manoel Pereira, rendendo-se após vários golpes de espada na cabeça.

Meire foi condenado a morte pelo Conselho de Guerra e executado no dia 8 de novembro de 1853.

O segundo Joaquim José dos Santos foi enquadrado no Artigo 8º da 1ª parte dos regulamentos da Cavalaria. O Artigo recomendava: "Todas as disputas e diferenças são proibidas sob pena de rigorosa prisão, mas é possível a qualquer soldado ferir seu camarada à traição em certas circunstâncias e assim será condenado ao carrinho perpetuamente, ou castigo com pena de morte conforme as circunstâncias correntes".

Joaquim era oriundo de Rio Pardo. Nessa condição, não recebia vencimentos nem fardas, o que o levou a um estado de miséria, com uma única muda de roupa e sem condições de comprar sabão para lavá-las.

Foi nessa realidade que roubou alguns companheiros e logo desertou, sendo preso no dia seguinte. Punido com a chibata, mas escapou argumentando estar doente.

No dia 1º de setembro de 1853 no pátio interno do quartel, no momento em que ia ser castigado corporalmente, arrancou uma faca que trazia escondida na sua roupa e feriu gravemente o major fiscal do regimento que comandava o corretivo.

Joaquim optou pela morte física ao invés de morte por aviltamento moral a exemplo do primeiro, foi condenado e executado no dia 14 de dezembro de 1855.

Curiosidade: Os Irmãozinhos fuzilados não eram irmãos.

Fotos

Copyright © 2017-2020 - Cópia do conteúdo autorizada desde que citada a fonte.
Horário de Atendimento: Seg à Sex, das 08:00 às 14:00